As previsões eleitorais para Casagrande, Hartung, Magno e Ricardo

 Por Jackson Rangel, jornalista

A previsão do fim do mundo para este ano, que figurou nos rankings das redes sociais, falhou! Existe o calendário Maia associando os sinais apocalípticos para 2012, ano de eleições municipais no Brasil. O Armagendom será uma surpresa, assim como sãos as urnas, enigmáticas, aguardando as batidas do coração dos eleitores.

Em tese, subliminarmente, no Espírito Santo, existem dois grupos em movimentação e um avulso, como pêndulo. O governador Renato Casagrande (PSB), até pela liturgia do cargo, é um líder que vem  comparando as próximas eleições como quebra-mola na sua gestão. Tentará manter a base aliada, produzindo menor perda possível, segundo o socialista.

O outro grupo funciona como aqueles aviões norte-americanos, conhecidos como “morcegos”, invisíveis a radares, sob a batuta do ex-governador Paulo Hartung (PMDB). Ele tem o poder da dissimulação e preparado para a tomada do Castelo Forte. A matemática pode ser esta: PH para Prefeitura de Vitória; João Coser (PT) para a vaga de senado de 2014. E completando, Ricardo Ferraço (PMDB) para o Governo do Estado.

O triunvirato mencionado tem tudo para atingir as metas por conta da inércia política do governador que, por hora, opta por imprimir a marca do seu Governo, o que ainda não aconteceu. O acordo construído no Palácio do Planalto pelo presidente do PSB e governador Eduardo Campos, que guindou Casagrande ao Palácio Anchieta, interrompeu o projeto de domínio previsto para mais de duas décadas por Hartung. Agora, o troco!

O grupo avulso, aparentemente mais fragilizado entre os dois primeiros citado, tem como capitão do barco o senador Magno Malta (PR), imprevisível, e com aliados avulsos ou do baixo clero, como Sérgio Vidigal, prefeito da Serra (PDT), Neucimar Fraga, do seu partido, e lideranças no varejo. Este agrupamento pode ser pêndulo para as eleições de 2012 e 2014. Os dois movimentos maiores podem depender desse movimento aleatório.

Em síntese, por enquanto, Paulo Hartung leva a vantagem sobre Casagrande que só reverterá o quadro, extirpando agregados do ex-governador da sua copa e cozinha, além, claro, de conseguir bom desempenho administrativo, porque o cotejo ente antes e depois de PH será vital para definir entre mortos e feridos, os sobreviventes.

No mais, de fato, o fim do mundo pode acontecer antes de 2014. E nenhum sentido fará toda e qualquer prospecção!

Kennedy-ES: prefeito tramou a cassação do próprio vice

O prefeito Reginaldo Quintas (PTB) tramou a cassação do seu vice Edson da Rocha desde quando tomou posse. A motivação é politicamente criminosa, pois se pretende eliminar seu adversário na eventualidade dele, o Chefe do Executivo, ser afastado pela Justiça mediante vários processos de improbidade.Os vereadores cooptados com raízes genealógicas dentro da Prefeitura de Presidente Kennedy cassaram o vice por 7 x 2.

O esquema escandaloso será revelado em breve. Uma liminar judicial deve vir a galope para desmoralização do poder político e econômico.O distanciamento entre os dois aconteceu, justamente, porque o vice não aceitou a proposta de gestão do prefeito, com indícios reais de desvios de verbas públicas, superfaturamento, recusando-se a participar dos conluios e esquemas assinalados já nos primeiros meses de administração.

A partir dessa discordância, Edson da Rocha, empresário em vários municípios, e residência eleitoral em Kennedy, passou a ser perseguido por Reginaldo Quintas que, mais recentemente, requereu sua assessoria mais íntima para preparar um processo com “testemunhas” arrumadas e dos noticiários sobre ausências dos vices nas prefeituras.

Numa maldade orquestrada, encaminhou ao presidente da Câmara Municipal, Dorley Fontão,  não se sabendo da intenção deste sobre esta traquinagem, tentando a cassação do seu vice. Os demais parlamentares estão sendo acuados para aceitar uma mentira, tudo, envolvendo dinheiro, poder e sexo, pilares que movem o mundo para o bem ou para o mal.

O processo está infectado de enxertos falsos e esdrúxulos. Quem for favorável se torna comparsa do prefeito nesta empreitada maligna.A assessora jurídica do Legislativo, Ângela Barbosa, competente, por certo, vendo a fragilidade do processo e conhecendo os bastidores políticos, deve ter orientado aquela Casa de Leis para não suscitarem aberrações que podem desmoralizar os vereadores, induzidos ao erro pelo apelo pusilânime do prefeito, em interesse próprio. Ela é competente e de moral ilibada!

O Juiz Edmilson Souza Santos tem sido guardião dos interesses públicos naquele Município, dos bons costumes e da ordem jurídica do Estado de Direito. O prefeito, por enquanto, vem violando nos bastidores todas as regras morais de um gestor até ser contido pela sua própria volúpia sobre o caixa do dinheiro dos royalties, e pela promotoria sempre vigilante.

O prefeito e sua assessoria mais chagada sabem como eu sei dos detalhes dessa conspiração! Não é novidade que os vice-prefeitos formam chapas – e Reginaldo sabia da vida empresarial do Edson – e quando incompatibilizados passam ao largo das Prefeituras. E não se tem notícia que um vice tenha sido cassado por ausência.

 Na primeira pessoa, afirmo: é uma fraude. E não termina ai. E quando começo, sempre termino uma denúncia. Alguns pagam para ver, no entanto, nunca decepcionei os leitores deste jornal, com ousadia e coragem de praticar jornalismo opinativo, analítico e investigativo. O povo de Kennedy merece mais respeito e um prefeito que não tenha desvio de conduta em todos os aspectos da moralidade.

Sem infância, as crianças não serão adultas

Estamos vivendo um novo tempo. As nossas crianças estão expostas à revolução tecnológica tanto quanto os adultos. As regras estão valendo para as duas gerações e todas as faixa-etárias. O lado bom é o aprendizado sobre a vida, rapidamente. O lado ruim é o ensinamento absorvido de ilicitudes subjetivas e objetivas.

O pós-modernismo estreitou as diferenças entre país e filhos naquilo que deveria ficar, hierarquicamente, distantes. O respeito se tornou raro com a falta de comunicação nos quadrantes dos apartamentos e casas, intermediadas pela internet, pelo celular e outros meios da geração matrix de Steve Jobs.

Os excluídos desta nova geração híbrida e indefinida, por sua vez, estão na condição dos leprosos dos tempos medievais, em separados, mas ameaçadores pela falta de cura. Assim, estão os viciados em crack, os dependentes químicos, sem tecnologia, mas dominados pela invenção mais primata, a droga.

Nossas crianças precisam de parâmetros morais, éticos e espirituais. O Estado tem responsabilidade com políticas públicas, mas a família, já estressada, precisa se recompor para salvá-las. Sem infância, não teremos adultos responsáveis, mas, provavelmente, monstros aprisionados ou perambulando pelas ruínas da sua cidade.

É uma fase delicada, de transição ainda surrealista, libertária, mas anarquista na absorção de informações ao atacado, promovendo choques neurais em produzir objetivos obscuros para futuro próximo. Os abusos sexuais infanto-juvenis têm sido devastadores e atingindo todas as camadas sociais, quase incontroláveis.

O mundo se depara com uma falência econômica e, agora, familiar. Ninguém, que se saiba , criou uma tese ao menos sobre para onde está caminhando a humanidade, nos seus sentimentos inegociáveis. As nossas crianças vão precisar de norteamentos fora do padrão que conhecemos hoje. Que Deus nos abençoe na missão!