Eu sou um imbecil !!!

Esquema de compra de CNH ainda desafia o tempo

Há décadas a compra de carteira de motorista ou sua renovação  (CNH) ainda desafia a linha do tempo, vencendo todas as modificações na legislação. A transação ilegal é simples. Um despachante tem um contato numa unidade do Detran-ES, com cerca de R$ 350,00, o documento legítimo com assinaturas dos diretores do órgão chegam na sua residência.

O comprador tem serviço garantido e não precisa fazer nenhum exame, principalmente, em se tratando de renovação. Sem exames, sem trabalho de buscar senha, tudo feito pelo despachante “autorizado”. Acredita-se que o diretor geral receba tais denúncias, mas ele mesmo não tem como distinguir entre CNH emitida em trâmite normal de uma com vício.

Com exceções, as escolas de trânsito buscam concorrer com outras prestadoras de serviços que pulam etapas para aprovação do aluno. Ou seja, muitos motoristas são formados sem com deficiência consciente na relação corrupto e corruptor. Chega ao ponto de uma das empresas anunciarem todas as etapas e pedir socorro ao Procon e Ministério Público em caso de fraude no critérios, havendo boa fé do requerente da carteira.

A questão resume-se na relação incestuosa entre os auditores ou fiscalizadores de Vitória e agentes sabedores do esquema nas Ciretran-ES. Trata-se da indústria da CNH. Até os profissionais credenciados, como examinadores de visão, fazem vista grossa para passar quase um cego. Essa máfia atua desde quando se criou o Detran e suas agências, sem mencionar que são cabides de emprego loteados por políticos regionais ou locais.

As fraude acontecem por todo o ES, principalmente em Cachoeiro de Itapemirim-ES e em Alegre-ES já chegou a envolver até vereador, como mecanismo de cooptação de votos.

A humanidade entra na fase da imbecilidade

Por Jackson Rangel

Do sistema manufaturador, passando pela revolução industrial, chega-se à revolução cibernética. Da criação ao limiar do fim da história, em algum momento a humanidade saiu do besteirol tecnológico e ingressa na imbecilidade robótica.

A geração pós-modernista, instrumentalizada pelos meios digitais, não sabe nem escreve o básico. A auto correção, com influência do Google, transforma-a em imbecil. Quase não se encontra pensamento original e nem cópia límpida.

Com o surgimento da tribo imbecilidade, levantou-se elementos turvos e corrosivos ao comportamento humano. Até o instinto está sendo substituído pelo padrão viciante da paixão sem toque. A superficialidade é enaltecida em abreviações ridículas.

É impensável um ser humano até aos 60 anos sem um celular com internet. Não se trata de demonizar os  avanços tecnológicos e sim de construir a humanização sobre os seus efeitos, com controle sem dano para os neurônios.

A juventude imbecil e os adultos ainda mais débeis, tentando entrar no vácuo de suas fragilidades de contato com o seu semelhante, estão perdidos no espaço e tempo. É a tragédia já em curso para o fim da história. Só falta ao homem destruir o espaço.

A androgenia orgânica com as conexões cibernéticas hipnotiza a sociedade em todos degraus da pirâmide social. Não existe mais convenções sociais com parâmetros, antes uma caótica virtualidade formadora de zumbis.

Não existem mais filósofos e poetas. Pensadores para gestar novos pensadores. Existem medíocres primários nos bancos das redes sociais. O facebook criado para relacionamento de amizades entre universitários se transformou num monstro incontrolável de destruição de vidas de todas as idades.

Se sou lido por um imbecil viciado, por exemplo em whatsapp, posso ser considerado por ele idiota ao quadrado, se considerado a base quantitativa. Ou seja, se faço parte de uma minoria, logo a maioria pode se auto rotular de “sábios” dos fins do séculos em detrimento dos raros “primatas” analógicos.