De jornalista para jornalista: Rogério Medeiros está ficando senil

Se eu continuar lendo os artigos do jornalista Rogério Medeiros no seu jornal online Século Diário, vou emburrecer. O último dá sinais de que está ficando senil. Retira o ex-governador Renato Casagrande (PSB) como adversário direto do governador Paulo Hartung (PMDB) na corrida ao Palácio Anchieta e insere a senadora Rose de Freitas (PMDB) como adversária principal, numa análise dolosa em favor do do atual mandatário.

Suas análises têm sido estapafúrdias há tempos. Nas últimas eleições majoritárias seu hábito é errar os resultados. Recompondo a verdade – ainda que esteja desinformado – , existe acordo entre Casagrande e Rose de Freitas de um abrir mão para o outro em caso de pesquisa, ano que vem, véspera das convenções, apontar o melhor posicionado. Não é da peemedebista que PH tem medo linear e sim do seu antecessor, que na planície, hoje, está em situação privilegiada.

Por motivos desconhecidos, as análises do jornalista – que um dia foi respeitado sob questionamento de outro saudoso contemporâneo Luiz Rogério Fabrino, nome de comenda em Cachoeiro de Itapemirim-ES – produz a teoria do caos em favor de uma ordem sem-vergonha.

Rogério Medeiros, quando secretario da Fazenda de Victor Buaiz e professava na cartilha do Partido dos Trabalhadores, avaliza este desvio de comportamento como escriba opinativo como autor da sanha, no passado, da compra dos convencionais do PSDB sob comando de Jorge Anders, então prefeito de Vila Velha, em favor de José Ignácio com PH. Ele muda rápido de posição. Nem sei se é de esquerda mais. Do PT que não é!

Colocar o deputado Majeski (PSDB) como uma terceira via é até aceitável. O parlamentar é uma agradável surpresa no meio político capixaba. Agora, guindar a senador delatada mais recente pelo doleiro Lúcio Funaro em caixa 2 de R$ 90 milhões para as eleições de 2014 é brincadeira de mau gosto. E o artigo tem objetivo, desdenhar do ex-governador.

Eu prefiro acreditar no processo de decrepidez do jornalista de cabelas alvos como a neve, do que crer na sua racionalidade propondo um tipo de transtorno de conduta incurável. Se existisse alguma bolsa de apostas, Casagrande está mais perto do favoritismo, contrariando as incessantes contra-informações lançadas dos porões do Palácio Anchieta pelo seus asseclas.

rmedeiros
Rogério Medeiros tem assinado artigos desarranjados sobre política do ES

PH é o maior mentiroso que já conheci como jornalista

O governador do Espírito Santo, Paulo Hartung (PMDB), é o político mais mentiroso e criador de factoide que já conheci em toda minha carreira de jornalista. O engodo é criado num tipo de serviço de inteligência em busca de se perpetuar no poder.

A última da sua farsa diz respeito de convite para disputar as eleições pelo Rio de Janeiro. A penúltima falácia é de que está estudando a proposta do histriônico  ex-ministro do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, na chapa como candidato a vice-presidente.

Em filiações partidárias pode ser considerado uma prostituta que finge orgasmo para impressionar o companheiro, mas nunca teve posicionamento de fidelidade. Traiu todos os candidatos a presidente da República, camaleonicamente. O PSDB o conhece bem, menos o garoto Rodrigo Maia do DEM, ainda.

Fora essas extravagâncias patrocinadas em  meios de comunicação venais  para amplificar seu passe de fora para dentro, a sua ação fraudulenta tem objetivo de conseguir se viabilizar para 2018 em desespero sem limites. Seu sonho maior sempre foi ser Ministro de Estado. Nunca foi convidado.

O economista joga, especulativamente, para impressionar a classe política local mais acometida pela imbecilidade. Potencializa a mentira para ver se engana o máximo de incautos.

O caso de PH é grave e cônico, de alguém chafurdado na lama com certidão negativa forjada na intimidação e influência nas instituições jurídicas e suas ligações perigosas plantadas em pirâmide.

Quanto mais se aproxima o fim do seu império e côrte, mais desatino comete  como um gângster, o maior do Espírito Santo.

Governador-do-es
PH dissimula, mente, e cria factoides na tentativa de sobreviver em 2018