Médicos querem ganhar mais do que o prefeito de Cachoeiro de Itapemirim-ES


Cinco médicos da Unidade de Pronto Atendimento do posto da Marbrasa,Cachoeiro de Itapemirim, decidiram anarquizar o sistema, ameaçando paralisação  sob pretextos nada republicanos.

O fato é que esses “humanistas” foram flagrados exercendo duplo vínculo, ultrapassando o teto salarial do prefeito Victor Coelho (PSB), ou seja, mais de R$ 15 mil. Uma vergonha! Ministério Público tem de exigir presença biométrica e responsabilidade civil e criminal de profissionais que manipulam a área da Saúde.

Com o processo seletivo, no mês passado, a duplicidade salarial caducou e essa meia dúzia, acomodada desde da gestão passada, criaram movimento para pressionar a Prefeitura a partir de apêndices. Só um casal de médicos namorados recebia sempre a mesma margem de quase R$ 30 mil. Coisa de “consórcio dos jalecos brancos”.

Para os leitores saberem que o principal do debate gira em torno de dinheiro, todo mês a municipalidade estava pagando algo em torno de R$ 140 mil. O setor administrativo reclamou com a Secretária da Saúde, Luciára Moraes, fiscalização sobre esses valores.

A UPA busca o credenciamento do Ministério da Saúde que exige padrão organizacional dos médicos – em quantidade e qualidade de serviços – , com a integração do SAMU pelo Governo do Estado que prometeu e se recusa a cumprir o protocolo dessa inserção.

Outra questão curiosa dentro da discussão é a função de coordenadora médica da UPA, cargo inexistente no organograma administrativo, mas implica em dinheiro e poder sobre demais médicos.

A UPA atende 24 horas e paga R$ 1 mil por plantão. Em média, os médicos “normais” percebem cerca de R$ 6 mil mensais, sem plantão extra. São 28 profissionais se revesando em atendimento à população carente.

Como sempre, os que perderam regalias além da legalidade, foram chorar com os vereadores hoje (26) e amanhã continuam esperneando com esperança em debater com o prefeito sobre suas nece$$idades, aonde o povo nada tem a ver com os ganhos extorsivos desses alguns.

Se esses cinco pedirem demissão ou forem demitidos não será fim do mundo, antes, pelo contrário, uma oxigenação para o bem público.

Publicado por

Jackson Rangel

Jackson Rangel Vieira, brasileiro, natural de Guaçui, Espírito Santo, com raiz em Cachoeiro de Itapemirim. Jornalista, nascido em 1963, combativo, responsável por produção de notícias e artigos. Analista político. Evangelista. Advogado, casado com Cristiane Feu Rangel Vieira. Dois filhos: Jackson Rangel Vieira Júnior e Nayara Tristão Vieira. A Bíblia é sua regra de conduta e fé.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.