Em 2016, eu apoiei a eleição do atual prefeito Victor Coelho (PSB). Acreditava na renovação e na transição para melhor do governo petista para uma gestão jovem e dinâmica, independente de cor partidária ou gênero ideológico. A intenção foi boa, mas errei.

No primeiro ano, não somente eu, mas a maioria da população acreditava que a morosidade e erros primários se tratavam de equívocos de um neófito e na ingenuidade de um virgem em gestão pública. O perdão em nome da governabilidade era natural. Existia, ainda, alta grau de confiabilidade.

No segundo ano, a burocratização da governança e a centralização de poder a uma única pessoa, foi o fim da picada. O socialista substabeleceu a procuração ao seu então Secretário de Governo, Weidson Ferreira, preposto do governador Renato Casagrande (PSB). O povo entrava em curto circuito.

No terceiro ano, no marasmo, sem uma obra sequer para dizer de sua, a sociedade cansou. Vieram os desmandos, as mazelas, os cadáveres boiaram e a roubalheira se espalhou com dreno ao erário de forma intensa e pecaminosa e vampiresca. MPF. PF. Omissão da Câmara de Vereadores.

Sem entrar em detalhes, submergi em depressão, não encontrando mais a esperança, mesmo sendo um homem de fé. Meses antes de deixar o mandato, neste momento em outubro de 2020, sem nenhum portfólio, Victor Coelho pede nova oportunidade para mais 4 anos, sem pudor.

Se na urna tivesse a opção deletar o candidato Victor Coelho (além de confirma, branco e nulo), eu nem pestanejava. Ele dilacerou a minha alma e de quase 100% da população. Talvez, 20% ainda se deixarão enganar. Precisamos resgatar também estes. Humildemente, peço perdão pelo erro!