Casagrande faz renascer o crime organizado no Espírito Santo

Crime Organizado no ES tem seu braço armado

Ao compor seu secretariado, de 2018 para 2019, o governador Renato Casagrande (PSB) reiniciou o processo do ressurgimento do crime organizado no Espírito Santo, extirpado em 2000.

O secretariado integrado por meliantes disfarçados de agentes públicos tem usurpado o erário por incompetência e por conveniência para proveito próprio através de licitações fraudadas.

Casagrande é o poderoso chefão. Tyago Hoffman é o principal títere. A procuradora-geral Luciana Andrade é a advogada da organização. O Chefe da Polícia Civil, José Darcy Arruda, é capanga. Tudo para blindar um governo corrupto.

Para denunciar esse sistema ladravaz, este jornalista subescritor não descansará enquanto esses facínoras estiverem no poder roubando das famílias a sua dignidade e o direito às liberdades de conquistar seu sustento.

Governador, entrar na Justiça, aquela que colabora, exceções, para criminalizar e censurar opinião. Casagrande, manda seus vira-latas que praticam advocacia administrativa retirar tudo do ar. Já deu provas do que é capaz!

E o Pen-Drive governador? Incomoda! Batom na cueca! Explica para a sociedade capixaba que não se trata de um dos maiores roubos em licitação já comprovado na história do Espírito Santo!

UM DOS MUITOS VÍDEOS SOBRE O CRIME ORGANIZADO NO ES:

Neucimar Fraga valoriza a Bancada Federal porque sabe parlamentar

Neucimar Fraga (PSD)

O deputado Neucimar Fraga (PSD) é aquele político que sabe parlamentar – verbo transitivo indireto e intransitivo – , ação e conjugação para poucos no Congresso Nacional. Sem dúvida, considerando mediana bancada capixaba, valoriza a representatividade do Espírito Santo.

Foi o 8º mais votados nas últimas eleições de 2018 com quase 59 mil votos, ficando de fora por conta da famigerada coligação que favorecia o menos votado. Enfim, escolado na Câmara Federal, com três mandatos, ele já mostrou nesses cinco meses que tem competência parlamentar.

Neucimar Fraga já abraçou a bandeira do Porto Central no Sul do Espírito Santo. Está defendendo com unhas e dentes a volta do Fundap, extinto por movimento estranho dos paulistas em favor deles mesmos. Apresentou projeto de lei que proíbe comercialização de madeira beneficiada e não beneficiada oriundas das florestas nativas.

Enfim, com boa oratória, carisma, o parlamentar capixaba sabe fazer a boa politica. Já foi prefeito de Vila Velha. Da base Bolsonarista – só precisa descolar do governador do Espírito Santo para aprimorar sua biografia – Neucimar tem potencial para transpor sua jornada até aqui.

Com sotaque de sua terra natal, a Bahia, quando aportou em 77 no Espírito Santo para recomeçar a vida, Neucimar Fraga provou que não tem medo de trabalho duro. Vendedor e representante comercial nato. Ou seja, Sua política profissional é qualificada para servir o povo, mas não depende dela. Se jogar na floresta, sobrevive.

Sorte do capixaba o reingresso de Neucimar Fraga no Congresso Nacional depois de 12 anos ausente daquele ambiente insalubre, porém fundamental como instrumento para melhorar a qualidade de vida em todas as áreas das atividades humanas.

Casagrande e companhia judicializam o jornalismo por causa do pen drive

A que ponto chegou a pequena estatura de gestor do governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), ao processar o jornalista responsável pela FOLHA DO ES por causa do escândalo do Pen Drive. A perseguição em consórcio do Governo do Estado através de assessores suspeitos não cessam contra o jornalismo independente que questiona, critica e denuncia.

O principal alvo dessa truculência contra a liberdade de expressão e de Imprensa é o jornalista autor deste artigo que nunca deixou de assinar suas matérias para se esconder no anonimato. O governador, além de não justificar e dar transparência sobre a denúncia de direcionamento da licitação de R$ 140 milhões do Detran-ES, ainda blinda as suspeitas.

No dia 02 de junho haverá a chamada audiência de conciliação com o governador e seus comparsas Tyago Hoffman e Givaldo Vieira, diretor do órgão protagonista do evidente direcionamento do cerco eletrônico, além de outros de menores patentes integrantes da organização desse crime usurpador do erário. Casagrande perdeu o pudor e o juízo.

Um estadista, no mínimo, não criminalizaria a opinião e nem a denúncia, antes, de pronto, determinaria a suspensão do certame – o que foi feito pelo promotor Raphael Calhau -, abriria investigação e puniria, exemplarmente, os responsáveis, em caso dele próprio não estar envolvido. Ao contrário, protege uma empresa chinesa “vencedora” da licitação anômala.

Além do conluio de vários membros do governo na judicialização contra o jornalismo com objetivo claro de silenciá-lo, conta com o apoio logístico da Procuradoria Geral, da Secretaria de Transparência e do Chefe da Polícia Civil, com abertura de inquéritos policialesco em escala para intimidar o jornalista. Uma vergonha para o governador que se elegeu sob o escudo do diálogo e da transparência.

Casagrande precisa melhorar sua qualidade como pessoa e como político. Muito mais como governante, extraindo seu entorno bandido que o coloca como um integrante dessa trupe.

Euclério é um legislador que se apresenta excelente executivo

Prefeito de Cariacica-ES Euclério Sampaio

O policia civil aposentado e advogado, Euclério Sampaio (DEM), foi deputado estadual por quatro mandatos e tornou-se prefeito de Cariacica nas eleições municipais de 2020, desde o início como favorito para desagrado dos céticos de plantão.

Aos 57 anos, com apenas quase 5 meses de governança, vem se destacando como Executivo na Grande Vitória por conta da sua resiliência e alto índice de resolutividade em todas áreas da atividade humana de alçada da Prefeitura. Euclério Sampaio é um ponto fora da curva no ES.

Está fazendo muito com pouco. Seu estilo independente, paradoxalmente, permite navegar entre aliados e parceiros de todas as matizes e cores partidárias. Faz questão de estar nas ruas com os servidores, do gari ao engenheiro, como se fosse um clínico geral sob a égide: “Cariacica, quem ama, cuida!”.

Como legislador, foi “truculento” no combate aos corruptos e corruptores. Destemido, cumpriu com louvor sua missão nessa fase, ingressando, agora, no âmago da gestão pública com poder de realizar e o faz com estilo singular para referenciar outros governantes neófitos espalhados pelo Espírito Santo.

Até o momento, o prefeito de Cariacica só tem feito bem para melhorar a qualidade de vida dos seu munícipes que até então só conhecer por décadas a descrença sobre uma arrumação em todos os setores. Era um povo necessitado de tudo. Agora, existe a quem recorrer e com vontade de fazer e já fazendo.

Enquanto fecha-se este artigo, Euclério Sampaio apresenta-se como um gestor irrepreensível com biografia política sem mancha.

Câmara de Cachoeiro nunca fiscalizou nada. Vai monitorar?

Só com lupa para alguns parlamentares enxergarem alguma coisa

A Câmara de Cachoeiro de Itapemirim-ES vai criar uma Comissão Especial Para Monitorar a Violência no Interior Município, aonde o tráfico já espalhou sua semente e crimes brutais costumam acontecer, sem mencionar a violência doméstica que fica invisível nas estatísticas oficiais.

Ora, a notícia surpreende. Não porque é uma ideia esdrúxula ou de jeca. A iniciativa é ridícula pelo simples fato daquele Parlamento não exercer nem as suas atribuições inerentes aos mandatos dos seus habitantes. Legislar e fiscalizar, aquela velha regrinha de ensinar qual a função de um parlamentar.

Nunca existiu na história daquela Casa de Leis uma Comissão Processante contra um Executivo que, aliás, legisla mais, muito mais, do que o Legislativo. Isso indica duas visões sobre o tema: Todos os prefeitos que passaram perto das margens do Rio Itapemirim foram honestos ou os vereadores, na maioria, são farsantes no cumprimente do dever.

Bem, agora, então, chega a informação de que os edis vão monitorar violência no campo rural. De imediato, existem dois incompetentes por lá, representando o Executivo: o secretário do interior e ex-colega, Alexandre Bastos; e o secretário da Agricultura, Paulo Miranda, que precisam ser fiscalizados.

Propor-se a vigiar bandidagem, função da polícia, é motivo de chacota. Aliás, as forças policiais já conhecem todos os pontos de tráfico e criminalidade. Exterminar com essas células é que são elas. E os crimes fúteis, ao ver de qualquer especialista, não são rastreáveis com o Estado ausente.

Melhor e louvável seria investigar o Executivo a exaustão, como manda a regra constitucional e regimental. Levar ao julgamento do plenários suas infrações e improbidades. Quem vive de indicação e de posar o lado do Executivo em entrega de obras é fisiologista da pior espécie entre as categorias deformadas da politica parlamentar.

Como a natureza do vereador é ficar vergado ao Executivo por meio de cabide de emprego e outras benesses, exceções, de mais valia seria monitorar a satisfação do honesto homem do campo e suas demandas.