Quadro “Vai Encarar?” será levado para os candidatos

O polêmico quadro “Vai Encarar?”, apresentado pelo jornalista Jackson Rangel, será levado aos candidatos a prefeito de Cachoeiro de Itapemirim-ES, todos os dias, a partir da 20h00 do dia 19 de outubro, no estúdio da FOLHA.

O formato ficou conhecido por não apresentar pauta antecipada aos entrevistados. O objetivo das entrevistas é revelar o candidato com o máximo de transparência aos eleitores. Pode ser determinante para decidir o voto.

A inscrição dos candidatos e candidatas será pela ordem de aceite através dos canal do WatsApp da FOLHA (28 99994-2122). Além da pergunta livre do entrevistador, haverá sorteio de temas para o entrevistado demonstrar deu domínio a partir do plano de governo.

A entrevista terá duração de 1 hora a 1h30. Será transmitida pelo canal do youtube e pela página principal da FOLHA. O último dia de inscrição será na sexta-feira no dia 18, véspera da estreia do quadro para os candidatos. A vantagem da confirmação com antecedência é o benefício de obter até sexta-feira (9), uma matéria bigráfica.

O candidato ou candidata que não aceitar participar da entrevista democrática, perderá oportunidade singular que pode arranhar a imagem do postulante ausente. Conforme o número de candidatos confirmados, a entrevista poderá ser de dois em dois, com formato híbrido de debate.

Não apoio a reeleição de Victor Coelho (PSB)!

Em 2016, eu apoiei a eleição do atual prefeito Victor Coelho (PSB). Acreditava na renovação e na transição para melhor do governo petista para uma gestão jovem e dinâmica, independente de cor partidária ou gênero ideológico. A intenção foi boa, mas errei.

No primeiro ano, não somente eu, mas a maioria da população acreditava que a morosidade e erros primários se tratavam de equívocos de um neófito e na ingenuidade de um virgem em gestão pública. O perdão em nome da governabilidade era natural. Existia, ainda, alta grau de confiabilidade.

No segundo ano, a burocratização da governança e a centralização de poder a uma única pessoa, foi o fim da picada. O socialista substabeleceu a procuração ao seu então Secretário de Governo, Weidson Ferreira, preposto do governador Renato Casagrande (PSB). O povo entrava em curto circuito.

No terceiro ano, no marasmo, sem uma obra sequer para dizer de sua, a sociedade cansou. Vieram os desmandos, as mazelas, os cadáveres boiaram e a roubalheira se espalhou com dreno ao erário de forma intensa e pecaminosa e vampiresca. MPF. PF. Omissão da Câmara de Vereadores.

Sem entrar em detalhes, submergi em depressão, não encontrando mais a esperança, mesmo sendo um homem de fé. Meses antes de deixar o mandato, neste momento em outubro de 2020, sem nenhum portfólio, Victor Coelho pede nova oportunidade para mais 4 anos, sem pudor.

Se na urna tivesse a opção deletar o candidato Victor Coelho (além de confirma, branco e nulo), eu nem pestanejava. Ele dilacerou a minha alma e de quase 100% da população. Talvez, 20% ainda se deixarão enganar. Precisamos resgatar também estes. Humildemente, peço perdão pelo erro!

Fim de linha para o prefeito Victor Coelho

Uma série de eventos da semana passada, fechando esta (17), jogou luz ao fim do mandato do prefeito de Cachoeiro de Itapemirim-ES, Victor Coelho (PSB). Produzi essa presciência da não reeleição em vários artigos assinados na FOLHA DO ES.

Não é preciso ser adivinho ou se valer de passionalidade com espírito adversário para prever um final melancólico de uma história que nunca chegou a ser escrita (tema de sua campanha). Ele venceu as eleições com quase 60 mil votos. Entretanto, subestabeleceu a procuração para terceiro.

Além de terceirizar o mandato, com gestão por controle remoto, Victor Coelho simboliza uma administração indireta e incompetente. Não construiu uma obra vertical para chamar de “minha”. Detém um título sem autoridade. Essa percepção já caiu na convicção popular.

A pergunta recorrente que me fazem é quem então será o futuro prefeito de Cachoeiro de Itapemirim-ES? Tenho respondido que o eleito será o improvável. No mesmo formato de como Victor Coelho foi eleito. Saindo lá de trás em meio às desconfianças e do desdém.

Ao repudiar a classe do magistério todo o tempo de sua gestão, mostrou a sua estatura, pequena e tacanha. O cachoeirense vai virar essa capa de livro vazio para, ai sim, escrever uma grandiosa história para esse povo sofrido, carente de desenvolvimento e progresso.

Por favor, sem aquela ladainha: o autor já elogiou o prefeito e sua gestão em algum tempo. Sim, mas tenho direito de revisar e desdizer! Revoga-se assertivas anteriores.

Não precisa ser nenhum vidente. Norma Ayub volta a ser prefeita de Itapemirim-ES em 2020 pela fraca liderança local

1-IMG_8251
Norma Ayub só não será prefeita novamente em 2020 se não quiser

A deputada federal Norma Ayub (DEM) tem o quebra-mola das eleições deste ano. Entretando, pela ausência de liderança decente e necessidade do povo, ela que já foi prefeita de Itapemirim-ES, voltará de forma triunfal de volta ao comando executivo daquela Prefeitura.

Os dois maiores cabos eleitorais serão seus algozes nas eleições de 2016, a dupla Luciano de Paiva (PROS), afastado como quadrilheiro pelo Tribunal de Justiça, e seu vice e interino Thiago Peçanha (PSDB), que quase sofreu o impeachment ano passado e faz uma gestão impopular.

As maiores mudanças realizadas naquele Município são de autoria da então prefeita, destacando obras de infraestrutura em Itaóca e Itaipava, maiores centros, e os trabalhos sociais nas comunidades carentes. Norma perdeu a reeleição porque importou quase todo secretariado.

O prefeito interino é visto pelo mercado político como um “crianção” sem palavra, que não cumpre promessas, além da sua insegurança de administrar. Na verdade, Thiago Peçanha parece não saber o que fazer com seu direito discricionário de governar. Pode não chegar ao final do mandato.