SOBRE QUEM É O MAIOR LÍDER GOVERNANTE DO ES

Miriam Leitão tem praticado um jornalismo “porco”

Miriam Leitão

Fui surpreendido hoje, dia 17, com o comentário da jornalista capixaba na Rede Globo, Miram Leitão, fazendo paralelo estapafúrdio e, supostamente, encomendado, entre o ex-governador Paulo Hartung (sem partido) e o atual Chefe do Executivo, Renato Casagrande (PSB).

Com aquela voz robótica – que às vezes dá boot – , ela teve a coragem de definir o que considera bom e mau gestor, citando o Espírito Santo. Exaltando o ex-governador Paulo Hartung, pela nota “A” nas finanças públicas, em ato contínuo desanca o socialista Casagrande.

Ela disse que a lei de anistia dos PMs e a reintegração dos mesmos com salários repostos é o exemplo de gestão temerária e do mau gestor, numa referência clara ao governador Renato Casagrande que se destacou na governo anterior como o melhor executivo na Segurança Pública.

Foi de amargar assistir a jornalista, que já presta serviços de opinião positiva ao ex-governador Paulo Hartung há décadas, por assim, então, analisa-se a prática de um jornalismo “porco”, impuro, manchado e mercantilista. A colega está em fim de carreira, quase parecendo caquética.

Depois daquele episódio bizarro e da desmoralização em que foi submetida pelo presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), deixando-a em semelhança com ritualistas mediúnicas, Miriam Leitão deveria fazer auto-crítica e parar de utilizar seu CNPJ com fins de exaltar o ridículo e atacar o que nada sabe.

Luzia Toledo é a política mais camaleônica da fauna capixaba

Deputada_Luzia_Toledo_-_Sessão_Ordinária_-_25.09.2017_(36607130404)

A deputada estadual Luzia Toledo (PMDB), nascida na pequena cidade de Mimoso do Sul, ES, parece aquela “bonequinha de luxo” – não pela beleza – , pelo esteriótipo mesmo. Navega em qualquer água, até no pântano. Aprendeu com a vida no percurso até aos seus quase 80 anos, na política mudar de lado como se muda de roupa.

Camaleônica, gruda a quem serve enquanto serve. O caso clássico foi quando pertencia à corte do governador José Ignácio que a permitiu ser senadora pelo PSDB como sua suplente. Luzia tinha passe livre para andar em todos os cômodos do Palácio Anchieta e de servir de GPS do Chefe do Executivo da época. Aonde ele estava, ela também estava. Constrangedor até.

Sua aparente fidelidade canina ao governador era ameaça ao seu futuro político com Paulo Hartung na linha da retomada do Poder Central, este vingativo e exterminador de adversários, como fez aos demais aliados muito próximos de José Ignácio. Com a falência da sua inspiração política, partiu para a sobrevivência, instinto nato.

Luzia Toledo, com seu apelo delicado e com expertise na arte de dançar conforme a música, partiu para fazer exame no laboratório do governador Paulo Hartung com a necessária transfusão de sangue – como diz no jargão popular quando uma pessoa passa a encarnar a outra -, provando sua subserviência como comprovação de lealdade.

Incrível, como animal político, sua capacidade de servir a quantos “senhores” for necessário! Nunca será uma grande liderança. Apenas uma política que existiu.

Casagrande: “Sou pré-candidato ao Governo do Estado e ponto final”

renato-casagrande-psb-em-local-de-votacao-na-manha-deste-domingo-3-1286148156604_615x300
Casagrande: “Sou pré-candidato a governador contra um Governo de mentira”

O ex-governador Renato Casagrande (PSB) anuncia que vai declarar-se a qualquer momento pré-candidato ao Governo do Espírito Santo. Sua decisão decorre do apelo diário dos correligionários e da sociedade por onde tem percorrido o Estado.

A andança do socialista já chegou aos 60 municípios do Es dos 78. “Vou estar na quinta (8) em Cachoeiro de Itapemirim, na parte da tarde e à noite e  Rio Novo do Sul. Na sexta, em Iúna e Irupi. No sábado em Castelo e Mimoso do Sul. Todas cidades no sul do Estado.

“Estou chegando a 60 municípios visitados de abril do ano passado até aqui e concluirei uma visita a todos os municípios até mês que vem. O espírito é o diálogo. Estou ouvindo as pessoas. Isso é importante pelo “déficit de democracia e de justiça” no Espírito Santo hoje devido a prática ultrapassada do atual governo”, enfatiza.

Indagado se há possibilidade de sair candidato ao Senado no decorrer do processo eleitoral, ele foi conclusivo: “Essa possibilidade é zero. Em política dizem que tudo pode acontecer, inclusive contra informação como esta. Em breve, os capixabas conhecerão como este Governo mente e a minha decisão de atender ao apelo do partido, dos amigos e da sociedade capixaba. Vou para o enfrentamento contra um Governo de mentira”.

A declaração foi concedida ao jornalista Jackson Rangel para o seu blog.

WhatsApp Image 2018-03-06 at 18.49.48

CHEGA DE FARSA – Por Renato Casagrande, ex-governador do ES

casagrande300300
O governador Paulo Hartung teve da população capixaba a honra de ser eleito em 2014. Foi escolhido na expectativa de que faria uma gestão buscando melhorar a vida das pessoas.

Mas o que se viu, de 2015 até aqui, foi um governador e um governo com práticas atrasadas. Tentou e tenta, a todo custo, responsabilizar nosso governo por sua inoperância, querendo justificar o fato de ter paralisado todas as obras e programas sociais no estado.

Buscou usar a Assembleia Legislativa como chicote para me atingir, com a tentativa de rejeitar as minhas contas de 2013 e 2014. Importante informar que essas contas foram aprovadas pelo Tribunal de Contas, sem nenhuma ressalva.

Deixei aproximadamente 2 bilhões de reais em caixa. O comprometimento com a dívida pública (em uma escala que vai até 200%) era de apenas 26% e folha de pessoal estava em dia e atendendo a Lei de Responsabilidade Fiscal.

Deixei uma gestão sem nenhuma denúncia de corrupção. Ao olhar o Rio de Janeiro, pode-se constatar, em grande parte, que lá a situação é caótica pelo resultado desastroso herdado pela administração atual da anterior.

Aqui, mesmo tendo encontrado um estado totalmente organizado, o governador cortou despesas sem critério, deixando capixabas sofrendo a espera de um leito hospitalar; desorganizou a segurança pública; fechou escolas; e acabou com os programas na assistência social. E, para que isso? Para tentar diminuir a minha imagem de gestor público comprometido com a responsabilidade fiscal.

Todas as auditorias independentes do estado e do país comprovaram a boa saúde financeira do Espírito Santo em 2014. E tudo isso sem comprometer os investimentos. Afinal, é para isso que serve o Estado.

A velha fórmula do Salvador da Pátria, que muito já foi usada nesse país, não funciona mais. A sociedade hoje tem capacidade de discernir e acompanhar a evolução dos tempos. Mesmo assim, ele insiste nessa farsa.

Hoje, em sua última prestação de contas anual do mandato à Assembleia Legislativa, disse que fará, durante este ano eleitoral, tudo o que não fez nos três primeiros. Como em um passe de mágica, tudo agora vai ser possível.

O que se viu naquela sessão foi um espetáculo de arrogância e prepotência, características desse governador que, por intransigência, acabou permitindo que mais de 200 capixabas perdessem suas vidas em fevereiro de 2017.

Esse comportamento narcisista, que isola a população com seus problemas, que julga todas as pessoas incapazes e desprovidas de inteligência, que amedronta e impõe, definitivamente eu jamais terei.

Renato Casagrande