Juiz acusa o autor das denúncias contra o Prefeito de crimes contra juízes

Plínio Marcos Leal (E) ao lado do irmão do presidente da Câmara, Manfrini Amaro

O juiz de Itapemirim Rafael Brumana acusou criminalmente Plínio Marcos Leal de envolvimento nos crimes contra magistrados da comarca. Plínio é aliado e mentor do Presidente da Câmara Mariel Delfino Amaro e de seu irmão Manfrini Amaro. E ainda trabalha com eles.

Em despacho publicado no processo, o magistrado se declara impedido porque Plínio está sob investigação criminal. Ele é um dos mentores dos crimes contra a honra de juízes em redes sociais. As fakes News de Plínio e gangue atingiram a honra dos magistrados, de forma leviana e covarde, com falsas acusações de venda de liminar. Isso porque perderam todas na justiça, inclusive no Tribunal. E ao invés de recorrerem, fazem campanha difamatória e caluniadora contra autoridades judiciárias.

Os crimes contra juízes ocorreram após a justiça conceder a 1ª liminar a favor do Prefeito há 90 dias atrás, em episódio idêntico de fraude legislativa.

Na ocasião, a câmara inventou o mesmo falso afastamento, sem pé nem cabeça, sofrendo derrota acachapante. Inconformados, aliados do Presidente da Câmara, como o ex servidor Plínio Marcos Leal, organizaram campanha difamatória nas redes sociais com acusações contra juízes.

Para isso usaram até figuras obscuras e sem escrúpulos. Uma delas vive sem perspectiva nos Estados Unidos, exilada, de onde faz postagens criminosas com IP americano. O pai é traficante condenado.

Outro é um drogadito da cidade de apelido “Marley”, também sem perspectiva e com antecedentes criminais, que tentou extorquir pessoas da gestão atual, sem sucesso. E ainda há os perfis fakes, comandados por servidores da Câmara.

Plínio Marcos Leal e o Presidente Mariel Delfino comandam essas pessoas de baixa qualidade, que postam o que eles mandam. Ontem mesmo postaram novos ataques aos juízes e ao poder judiciário, renovando a campanha difamatória contra autoridades.

Onde Plínio e Mariel querem chegar com isso ainda não se sabe, mas a prisão pode ser o preço pelo caráter, irresponsabilidade e inconsequência desse grupo criminoso.

Quem alimenta essas figuras de redes sociais e do que vivem ainda é mistério a ser revelado. Certo mesmo é que não ficarão impunes, sejam mentores ou executores. Estão todos sob investigação criminal.

Itapemirim aguarda a tão esperada operação contra as Fake News caluniadora de juízes e autoridades. Só com prisão e processo essa turma vai parar. A onda está em curso e vem forte. TIC TAC.

Juiz apresentou notícia criminis contra Plínio Marcos Leal

Vereador de Itapemirim denuncia relação incestuosa entre Prefeitura e Rádio

Captura de tela 2018-02-18 11.05.27

Na última sessão ordinária da Câmara de Vereadores de Itapemirim-ES, ecou uma voz destemida contra as mazelas do Município e a relação incestuosa entre a Prefeitura e a Rádio Litorânea. Rogerinho (PCdo B) não poupou palavras.

“Recebendo R$ 800 mil da Prefeitura fala-se mal até da mãe, de mim que não sou da base aliada é que não vão elogiar. Enquanto gasta-se essa fortuna com a emissora, o hospital Santa Helena está morrendo”, bradou o parlamentar.

Rogerinho revelou que várias comunidades estão abandonadas, inclusive a dele por perseguição política. Mas avisou: “ainda não me considero oposição, ainda não, mas posso vir a ser”, frisou. Veja o vídeo de sua fala completa da tribuna da Câmara:

Thiago Peçanha libera R$ 800 mil para um só meio de comunicação. Sem vergonha!

microphone-1209816_960_720

A safadeza, com o dever do Ministério Público investigar, não cessa na Prefeitura Municipal de Itapemirim-ES. O prefeito teve a coragem de publicar no Diário Oficial do dia 5 a ata de registro que destina R$ 788.502,00 para uma única emissora de rádio, aquela, a Litorânea, cuja razão social atende pelo nome de Rádio Marataízes FM LTDA.

No ano passado não foi diferente em valor similar. A emissora vence pela ata de registro, modalidade de licitação que permite o prefeito gastar durante ano os valores por ele desejado. Contudo, a suspeita é de lavagem de dinheiro para através da empresa fazer outros pagamentos, até meios de comunicações locais, como se fosse uma agência.

Só para se ter a ideia do absurdo do valor para um único meio de comunicação com audiência questionável no litoral, a quantia é quase o correspondente a do orçamento da Prefeitura de Cachoeiro de Itapemirim de 2018 para todos os veículos. Os proprietários da rádio são de campos, com ligação próxima do ex-governador Antony Garotinho (PR).

Veja o diário:

litorânea

Continua a “sujeira” na Prefeitura de Itapemirim-ES no serviço de limpeza

img-20150331-wa0005_1
 A Prefeitura de Itapemirim licitou a empresa Liderança Conservação e Limpeza para manutenção das escolas da Rede Municipal. Um valor milionário. A empresa é de Santa Catarina com filial em Vitória.
A empresa tem simplesmente cerca de 3 mil processos trabalhistas. Só pode ter sujeira no negócio.
Enquanto isso, na cidade vizinha, a  Prefeitura de Marataízes quer terceirizar uma UPA recém construída. Tem treta na história e o TRE pode cassar Tininho por crime eleitoral.

Esquema: emissora de rádio ganha fortuna no litoral para esquema político

Radio

A emissora de rádio Litorânea FM – Marataízes não vem só conquistando audiência na região litoral do sul do Espírito Santo. Por alguns anos monopoliza na captação de fortunas em verbas públicas junto aos prefeitos dos balneários.

O esquema é simples. As Prefeituras não licitam agências de publicidade para deixar em aberto a destinação de verbas e sua manipulação para interesses políticos, principalmente. São os casos dos Municípios de Itapemirim e Marataízes.

A única Prefeitura em que a os donos não conseguiram pressionar para contratos extravagantes foi a de Presidente Kennedy-ES que atua com Agência de Publicidade. Além do mais, não tiveram êxito em peitar o Secretário de Governo, José Augusto.

Só para este ano, com descriminação dirigida em pregão “presencial”, a Rádio MARATAÍZES LTDA, razão social, com escritório na cidade, mas os proprietários são de Campos, com ligações à plataforma de Antônio Garotinho.

Vejam a ostentação da verba destinada pela Prefeitura de Marataízes, quase R$ 800 mil para 2018, sem contar Itapemirim. Documentos abaixo:

certo 1certo 2